13 tipos de alunos odiosos

cabeça de areia

Por Helô de Castro

Ser professora não é tarefa fácil! Sobretudo no Brasil, onde as pessoas tem preguiça de pensar e acham que tudo deve ser espontâneo e intuitivo(uma justificativa para a lerdeza e a grosseria).

Como professora de danças-de-salão para adultos vivi uma série de experiências que me deixaram cansada e desgostosa da profissão que eu adorava. Abaixo eu listo o tipo de aluno e de atitudes que contribuíram para meu desapontamento.

 

Aluno 1

Aqui estão os alunos que não querem entender o mecanismo dos passos e depois repetir, repetir, repetir…

Atividades que envolvem coordenação motora como dança, música e esportes requerem paciência, ajustes constantes e repetições infindas, mas o aluno indolente prefere ser puxado como um saco de batatas ou treinados a decorar coreografias prontas, o que não é o mesmo que saber fazer. Eu posso pegar um violão e aprender a tocar uma música, mas isso não significa que eu sei tocar o instrumento.

Sempre olhei essas pessoas e as vi como danificadas. Não posso dizer que sentia pena, mas entendia que eram muito limitadas, burras mesmo! O pior é que costumam reclamar, insinuar que estão sendo embromadas e saem dizendo que não aprenderam nada.

Aluno 2

São os sujeitinhos abusados que querem tudo de mão beijada e é o professor que tem que pagar o preço.

O cara falta as aulas e quando reaparece acha que o professor tem que explicar tudo de novo porque ele está perdido… danem-se os otários que já aprenderam o passo.

O sujeito não procura pedir a ajuda dos colegas ou pensa em pegar uma aula particular, não… ele também não pode vir no horário de uma outra turma mais atrasada para se atualizar… ele quer que o professor prontamente se dedique a ele naquele momento que, claro, é o que lhe convém.

Dentro desse grupo estão também os que marcam uma aula particular e não aparecem e nem avisam, mas quando você faz a cobrança o sujeito fica indignado porque está tendo que pagar por uma aula que não fez. Essa incapacidade de ver o lado do outro, faz com que eu sinta raiva desses tipos.

Aluno 3

Aqui estão os trambiqueiros conscientes. É o cara que faz 5 aulas de experiência e ainda fica ofendido quando você cobra. Uma vez uma aluna dondoca resolveu fazer as aulas pelo lado de fora da janela para não pagar. Quando eu cobrei ela se sentiu humilhada, chorou e o caramba…

Outra vez, numa noite de sexta-feira, eu com uma enxaqueca lancinante, dei aula para um grupo de 6 pessoas, que ao final disseram que não tinham dinheiro e que levariam durante a semana. Claro que foi calote. Até hoje jogo praga nos desgraçados… queimem no inferno!!!!!!

Aluno 4

A laia dos injustos e mentirosos. Aqui está a pessoa que aprendeu um monte de coisas, mas diz que não aprendeu nada. Há também os que falam que você sempre dá a mesma aula, o que também não é verdade. Por fim vem os que reclamam que você sempre os colocam para dançar com a mesma pessoa… outra mentira.

Aluno 5

Os mimados e preconceituosos são irritantes, chatos e emburrados. São os que não querem dançar com alguém porque é velho demais, feio demais, jovem demais, japonês, preto, alto, baixo, fedorento,perfumado, tem mau hálito, é gordo, tem dificuldades etc.

Já vivi a experiência de ter que devolver o dinheiro para uma aluna porque ela não aceitou fazer par com um rapaz negro num curso de tango.

Esse é um tipo que enche o saco do professor. São estressantes!!!

Aluno 6

O aluno que não entende que o professor não está ali para ser amiguinho de ninguém. Eu não preciso gostar do meu aluno e nem ele de mim. Eu não tenho que ser uma fofa ou ter a personalidade da vovozinha de ninguém. Eu não tenho que ir a festinhas ou encontros sociais com esse aluno. Também não tenho que dançar em baile com aluno só porque é meu aluno. Minha função de ensinar termina quando saio da sala de aula. No baile danço com quem gosto, com quem tenho simpatia e com quem me propicia algum prazer.

Aluno 7

O pavão! Esse vai para o curso com a certeza que vai ensinar ao professor. Na maioria das vezes, o pavão é um pato. Quase todos chegam dizendo que “modéstia a parte” eles são pés-de-valsa, mas geralmente são dois pés esquerdos, que quando percebem que não estão com nada passam a depreciar o curso e quase sempre desistem imediatamente.

Uma vez tive que explicar, gentilmente para um desses narcisos que ele realmente teria que entrar na turma de iniciantes. Ele ficou indignado e ainda foi embora dizendo que ainda me encontraria num baile e não me chamaria para dançar…hahaha!!!!

Aluno 8

Os fúteis, superficiais e sem noção são os que não entendem que em qualquer aprendizado, a parte mais difícil e mais chata é a da construção das bases. Você só dança bem se desenvolver habilidades corporais. O aluno raso é aquele que adquiriu toda a condição de dançar com você e, como ele está relativamente pronto, ao fazer aula com outros professores, passam a creditar o seu melhor desempenho ao último mestre.

Aluno 9

Aqui, estão os fofoqueiros. A pobre professora já não aguenta mais falar de dança, de aluno, de bailes… mas vem alguém e começa a contar o que fulano disse, o que viu em outra academia, as maledicências que falaram a seu respeito… blá, blá, blá! Esse é o tipo que destila veneno e te enche de negatividades.

Aluno 10

O aluno egoísta e possessivo acha que o professor não pode mudar, não deve evoluir, não necessita de novos ares etc. Uma vez, quando anunciei para uma turma cheia de veteranos que estava saindo daquela academia e indo para a minha própria, ninguém emitiu um som… ficou um clima congelante e somente um aluno veio me felicitar. Certamente, eles estavam chocados com as inconvenientes alterações que isso causaria em suas rotinas.

Aluno 11

O aluno escravocrata acha que faz um favor para o professor de dança e que este lhe deve toda a consideração e devoção, dando-lhe prioridades e fazendo favores especiais.

Já vi alunos indignados porque eu teria que mudar o horário da turma. Alegavam que eram alunos antigos e que a besta da professora teria que, praticamente, dar aulas particulares para meia dúzia, porque esses seres tão maravilhosos que me tiraram da sarjeta e mataram a minha fome não poderiam sofrer tamanha ingratidão…Ohhh!!!!!!!

Aluno 12

O aluno melindroso é aquele que você tem que medir as palavras, pois tudo lhes parece inadequado. Quando se pergunta se ele fez o exercício que você mandou, ele reaje dizendo que não é “mandar” e sim “pedir”. Se você diz que o passo não está bom, ele pergunta se você não faz elogios também. Esse tipo não causa danos, só são chatinhos.

Aluno 13

Aqui estão os sinistros, pois esses te odeiam a primeira vista e incondicionalmente! Querem até promover revoltas e golpes para te derrubar. Teve um que foi até a dona da academia para dizer que gostava muito do curso de dança, mas que ela deveria trocar de professora(eu). Ele até rosnava quando me via e acabou partindo para cima de mim tentando dar porrada… não conseguiu. Sai de retro!!!!!

Acho importante dizer que não estou me referindo exclusivamente a minha experiência, mas também aos perrengues de tantos outros professores amigos meus. Por fim, devo frisar que este post é para falar mal dos filhos-da-puta, mas que nos anos em que fui professora tive também centenas de alunos maravilhosos!!!

Veja também:

Síndrome de Burnout

Como se recuperar da fadiga profissional – 1º passo

Use a diferença contra o estresse profissional

Tire as etiquetas e afaste o estresse

6 sinais de que há um predador na área