De Papo Comigo

7 mitos sobre o estupro

calcinha

Idéias preconceituosas de como seriam os perfis dos estupradores e das vítimas ainda persistem e podem levar pessoas a não enxergarem seus potenciais agressores, já que estão amparadas na confiança que colocam em tais mitos. Veja alguns deles:

1- O estuprador tem uma excitação sexual incontrolável

Mito: Eles são vistos como alguém que está sempre excitado e não consegue controlar seus impulsos.

Verdade: A motivação do estuprador não é o sexo em si, mas o frisson gerado pela sensação de poder e controle que tem na hora em que está subjugando a vítima. Ele se excita sim, mas esse tipo de tesão só é obtido pelo fato de estar estuprando e não o contrário. A raiva e o sentimento de autoridade e de superioridade são elementos mais significativos para o impulso de estuprar do que uma possível excitação sexual prévia.

Concluindo: Nem todo homem que se excita facilmente sai por aí pensando em estuprar.

2- O estuprador é viciado em pornografia

Mito: São vistos como uns tarados que vivem em busca de pornografia, alguns, até, acreditam que seus crimes são resultados desse vício.

Verdade: Primeiramente, não existe “O estuprador”, mais sim vários tipos deles, entre os quais alguns que se ligam em pornografia… mas esse não é o padrão. Costumam ter uma relação ocasional com conteúdos pornográficos, tal qual a maioria dos mortais. Alguns, sequer, acessam materiais pornográficos. Aliás, a pornografia faz com que as pessoas apenas se excitem, nada mais. O objetivo pode ser a masturbação solitária ou o estímulo da libido. Há fanáticos pelo pornô que nem gostam de sexo presencial.

Concluindo: Exitem zilhões de viciados em pornografia – talvez você seja um ou conheça um – que nunca pensaram em estuprar ninguém, logo não faz sentido dizer que gostar de sexo leva ao estupro.

homem olhos

3-  O estuprador é um cara esquisito

Mito: Acredita-se que estupradores são tipos esquisitos, solitários, tímidos, sem amigos,  que passam o dia na frente da TV,  desprivilégiados intelectualmente e esteticamente, incapazes de ter uma vida sexual normal e que não sabem como conquistar as mulheres.

Verdade: Embora existam alguns assim, a maioria é completamente ajustado aos padrões convencionais, ou seja, têm amigos, são extrovertidos, saem para se divertir, têm inteligência normal; muitos são atraentes fisicamente e um grande número consegue facilmente obter sexo consensual com variadas parceiras. Aliás, a maioria dos estupradores têm relações sexuais com suas namoradas, esposas e ficantes.

Conclusão: Qualquer um pode ser um estuprador.

boneca na cama

4- O estupro acontece sob extrema violência física

Mito: Muitos imaginam que toda mulher estuprada é espancada, fica com a vagina dilacerada, é contaminada por doenças, é submetida a rituais sádicos, etc.

Verdade: Na maioria dos estupros não ocorrem profundos danos físicos. O grande impacto acontece psicologicamente. Apenas um pequeno número de estupradores se enquadram naqueles que estamos acostumadas a ver em filmes, ou seja, os sádicos e violentos.

Conclusão:  Mesmo que não haja lesões físicas, ser estuprada pode ser uma experiência pior do que tomar uma surra, pois a violência psicológica e as consequências morais são bastante devastadoras.

5- Somente mulheres são violentadas

Mito: Acredita-se que homens adultos não sofrem abuso sexual.

Verdade: Homens são violentados e forçados a todas as formas de abusos por parte de seu estuprador, ou seja: são penetrados e são forçados a penetrar, coagidos a praticar sexo oral e masturbação. Há até casos em que o estuprador exige que a vítima ejacule.

Conclusão: Ninguém está imune.

prostituta

6- A culpa é da vítima

Mito: Muitos culpam as mulheres por provocarem o estupro devido ao uso de roupas sensuais ou a um comportamento extrovertido e insinuante.

Prostitutas também são culpabilizadas por se exporem e induzirem os homens a um desejo incontrolável, como acreditam alguns. Há até quem ache que estuprar prostituta não é um crime.

Verdade: Não há relação entre as roupas ou o comportamento da vítima com o estupro sofrido. O agressor busca principalmente a oportunidade de atacar alguém que esteja numa situação desprotegida

O que eles querem é se sentir poderosos ao humilhar a vítima. Quanto mais pudorosa, recatada e envergonha a mulher for, melhor para eles.

Prostitutas são alvos de estupradores, não pelas roupas ou o comportamento sexualizado, mas sim pela vulnerabilidade. É fácil ter acesso a elas e, além disso, a polícia não investiga com a mesma atenção um crime cometido contra profissionais do sexo, moradores de rua e viciados em drogas, o que para o estuprador pode parecer como uma garantia de impunidade.

Conclusão: Nua ou de burca uma mulher pode ser estuprada, caso contrário não haveria estupro em países mussulmanos ou em regiãos onde a maioria das mulheres só usam roupas compridas, como na Índia. Freiras também nunca seriam violentadas.

7- Estupradores são desconhecidos

Mito: Há sempre a idéia de que o estuprador é o cara que ataca uma mulher desconhecida, no meio da noite e num local ermo. Ou um estranho que entra dentro da casa da vítima, aponta uma arma e comete o estupro.

Verdade: A maioria dos criminosos sexuais são conhecidos da vítima. Alguns são bem próximos, como maridos, ex maridos, namorados, parentes, amigos e vizinhos.

Os ataques são a qualquer hora do dia, sob as circunstâncias mais variadas.

Conclusão: São infinitamente maiores as chances de ser estuprada por um conhecido do que por um estranho.

 

No Brasil, 70% dos estupros são cometidos por parceiros, parentes, amigos e outros conhecidos da vítima.

Veja três exemplos de estatísticas feitas nos Estados Unidos:

(X% foram estupradas por___)

Exemplo 1:

22% por totais estranhos

9% por maridos e ex-maridos

11% por pais e padrastos

10% por namorados e ex-namorados

16% por outros parentes(irmãos,tios, primos, avôs etc)

29% por conhecidos não parentes(amigos, vizinhos, amigos dos pais, pais de colegas etc)

 

Exemplo 2:

24,4% por estranhos

21,9% por maridos

19,5 por namorados

9,8% por outros parentes

9,8% por amigos

14,6% por conhecidos não parentes(vizinhos, pais de colegas, etc)

 

Exemplo 3:

76% por parceiro íntimos(maridos, namorados, companheiros, ex-marido etc)

16,8% por conhecidos(vizinhos, amigos etc)

14,1% por estranhos

8,6% por parentes

Fonte: Rape Investigation Handbook – de John O. Savino e Brent E. Turvey

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.