De Papo Comigo

Estuprador: tipo sádico

Estuprador-sádico

O nome já diz: esse é um tipo de estuprador de mente conturbada, cujo prazer está em causar sofrimento, angústia, humilhação e pavor em suas desprotegidas vítimas. No geral, é um grupo composto por psicóticos.

As vítimas representam alguém(ou alguma coisa) a qual ele deseja punir e destruir.

Esse é um indivíduo que pode matar, mas não sem antes submeter a vítima ainda viva ou seus cadáveres aos mais terríves tratamentos.

Costuma ser simpático, bem apessoado e demonstra boas habilidades sociais.

 Veja:Estuprador: tipo raivoso

Veja:Estuprador: tipo controlador

 A ação

O ataque é cuidadosamente premeditado.

Ele faz tudo para não ser descoberto, portanto é comum que se disfarce e coloque vendas nos olhos na pessoa.

Passa um tempo longo com a vítima, já que necessita submetê-las a certos rituais. Mas há alguns cujo excitamento está no ato de lutar fisicamente com sua presa e matá-la, sendo assim a processo pode não ser tão demorado.

O valor do ato sexual

Desde cedo costuma ter fantasias a respeito de cometer estupros.

Ele tem satisfação em abusar, degradar, humilhar, destruir e até matar a vítima.

Quanto mais agressivo é, mais se sente poderoso e mais excitado fica.

A resistência da vítima é uma intensa fonte de excitação sexual para ele.

É comum ejacular durante o processo de controlar, torturar e humilhar a vítima; e nem sempre chega a penetrá-la.

Em relações sexuais consensuais costuma também ser sádico. Quase sempre suas namoradas e esposas ficam incomodadas com certos pedidos feitos ou algumas atitudes que ocorrem durante o ato sexual.

As vítimas

As vítimas são desconhecidas, mas possuem características comuns entre si, como idade, tipo físico, profissão, origem étnica…

Prostitutas e mulheres que consideram imorais são suas favoritas.

A vítima é perseguida, abduzida, encarcerada, torturada e submetida a uma série de rituais bizarros como, por exemplo: ter o corpo lavado, ter que usar certo tipo de roupa ou agir de alguma maneira determinada. Durante o processo ela pode receber mordidas, ser queimada por cigarros, sofrer mutilações, ser submetida a lavagens intestinais… As regiões sexuais são as áreas que mais sofrem agressões.

Elas podem não sobreviver ao ataque, pois o agressor quer eliminar a testemunha e, pior, ao matar a vítima ele sente um prazer muito mais intenso do que o de um orgasmo.

O tratamento para as pessoas que sobrevivem é prolongado e requer múltiplos tipos de terapias.

O horror vivido pela vítima é tão profundo que muitas desejam morrer em vez de encarar a longa recuperação que está pela frente.

Algumas acham que vão enlouquecer ou nunca mais irão se recuperar do trauma.

As sequelas deixadas no corpo as fazem lembrar repetidamente da tortura.

Muitas entram em depressão profunda e pensam em suicídio(quando não o cometem de fato).

Fonte: Men who rape- The psycology of the ofender de A. Nicholas Groth e H. Jean Birnbaum

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.