Estupradores adolescentes

 

estupradores-adolescentes

O estupro cometido por adolescentes costuma ser interpretado como coisa da idade. Há a idéia de que os agressores estão numa fase normalmente agressiva e experimentadora, e que a imaturidade do cérebro levaria os criminosos a atos inconsequentes.

Há até que pense que rapazes com idades inferiores a 14 anos sejam incapazes de praticar sexo com penetração. Há ainda quem critique as vítimas adultas por acreditarem que teriam capacidade de reação a um menor( como se menoridade fosse sinônimo de incapacidade de violência física).

Mas, estupradores adolescentes existem aos montes, e não são tão inofensivos quanto se pressupõe. Eles também causam grandes danos físicos e emocionais as suas vítimas e, apesar disso, poucos são acusados ou condenados pelos crimes que cometem.

3 tipos de estupradores adolescentes

 1- O que abusa de pessoas de idades próximas a dele

Ataca pessoas que possuem um ou dois anos de diferença em relação a ele.

Características do estuprador

  1. Geralmente conhece a vítima, mesmo que seja de vista, sem que tenha realmente trocado alguma palavra; porém atacam também mulheres desconhecidas.
  2. A maioria das vítimas é do sexo feminino.
  3. O crime acontece tanto em locais fechados quanto na rua. O mais comum é na casa da vítima(quando ocorrido em lugar fechado).
  4. Um terço usa algum tipo de arma para coagir.
  5. O uso de drogas e álcool não costuma ser tão frequente quanto se imagina.
  6. Em três quartos dos casos o agressor já cometeu algum outro abuso anteriormente e, em geral, não sofreram nenhum tipo de repreensão.
  7. Costumam ser mais violentos do que os que abusam de crianças menores.
  8. Têm como objetivo conseguir a penetração.
  9. São os que mais estupram em grupo(gangs).

 

2- O que abusa de vítimas mais jovens

Esse tipo ataca outros adolescentes ou crianças muito mais jovens do que ele. As vítimas costumam ter, pelo menos, cinco anos a menos do que o agressor.

Características do estuprador

  1. Em geral, são mais jovens(pré-adolescentes ou mesmo crianças).
  2. Suas vítimas são em maioria do sexo masculino.
  3. São familiarizados com a vítima.
  4. São os que mais atacam amigos e parentes.
  5. Não tentam o sexo com penetração.
  6. Suas principais práticas consistem em tocar, acariciar, se masturbar, lamber, ser lambido, ser chupado.

adolescentes estupradores

3- O que abusa de adultos

Esse tipo ataca pessoas adultas, com idades que podem ser muito superiores a do agressor, sendo que muitas vítimas podem ser velhas.

Características do estuprador

  1. A maioria de suas vítimas são mulheres.
  2. A agressão ocorre em local fechado, geralmente na casa da vítima.
  3. A agressão costuma ser violenta.
  4. Costumam usar armas.
  5. Quase todos visam a penetração.
  6. É mais comum o uso de drogas e álcool.
  7. Geralmente, roubam as vítimas depois do ato.

Quando se tornam adultos

Um grande número dos estupradores adultos têm um histórico de cometer abusos sexuais quando eram menores. As agressões cometidas na fase adulta costumam ser semelhantes as que  praticavam na adolescência. As vítimas costumam ter características semelhantes, o mesmo gênero, idades proporcionais ao do agressor(muito mais jovem, de idade aproximada ou muito mais velha) e grau de intimidade(desconhecidas, familiares, conhecidos). O nível da violência aplicada e o tipo de local usado para cometer o crime também são parecidos.

Muitos menores agressores tiveram em seu passado uma série de problemas de comportamento, especialmente relacionados ao sexo.

 

estupradores-adolescentes
Menores estupradores

Aspectos gerais

  1. O que leva um adolescente a estuprar está relacionado(tal qual os adultos) à necessidade de expressar raiva e poder.
  2. Muitos não sabem se relacionar com outras pessoas, especialmente as de sua própria idade.
  3. São pessoas que não conseguem as coisas que desejam, e isso faz com que não encontrem meios de expressar sua natureza.
  4. Têm baixa tolerância à frustração e isso faz com que sejam facilmente irritáveis.
  5. São imediatistas. Não toleram persistir por muito tempo e costumam não ter objetivos a longo prazo.
  6. As pequenas exigências do cotidiano são tidas como algo monstruoso e facilmente entram em estresse diante disso.
  7. No geral, eles possuem dificuldade em adquirir um senso de identidade própria e autoconfiança.
  8. Muitos se sentem fracassados em sua tentativa de alcançar uma imagem de masculinidade padrão, geralmente estereotipada.

As consequências e os cuidados

No geral, esses agressores são vistos como adolescentes que estão manifestando características comuns da idade, relacionadas a impulsividade e experimentação. Sendo assim, os reais problemas permanecem sem serem investigados e contidos.

Há quem considere que esses menores são eles mesmos vítimas de abusos, e essa explicação incentiva o agressor a agir com mais liberdade, pois se apóia nessa justificativa.

Há quem sugira que os agressores sexuais adolescentes não recebam o rótulo de estuprador e, em vez disso, seja identificados como algo do tipo: “Um jovem que teve uma má conduta sexual” ou “um rapaz que foi preso devido a uma agressão sexual”. Quem defende essa mudança de tratamento acredita que o rótulo de estuprador estigmatiza o jovem para o resto da vida.

Os responsáveis por adolescentes estupradores devem se perguntar:

  1. Tal comportamento é apenas um episódio de impulsividade e curiosidade típica da idade?
  2. O sexo está sendo usado como forma de controlar ou punir uma outra pessoa?
  3. O sexo está sendo consensual ou ocorre através de coerção?
  4. Há elementos estranhos, bizarros, ritualísticos?
  5. Ocorrem atos perversos, como manter o outro em cativeiro ou expôr o outro a humilhações?

Essas e mais outras perguntas poderão dar um panorama do quanto é séria a situação do adolescente, mas, qualquer que seja o cenário, é importante submeter esse indivíduo a algum tipo de ajuda psicológica, pois enquanto se é jovem essas tendências podem ser melhor contidas.

Fonte: Men who rape- The psycology of the ofender de A. Nicholas Groth e H. Jean Birnbaum

e http://forensicpsychologist.blogspot.nl