Mulheres stalkers

mulheres-stalkers

Embora a maioria do stalkers seja do sexo masculino(aproximadamente 75%), muitas mulheres também se dedicam a perseguir outros indivíduos . E não pense que o assédio delas é mais fácil de lidar não! Um stalker feminino pode ser tão estressante e devastador quanto um masculino.

Veja também: 

Stalkers: 30 ações contra as vítimas

Stalkers: o que as vítimas devem fazer

 

Perfil

A maioria:

  • Se encontra na faixa entre os 15 e 60 anos, sendo que a média de idade é entre 35 e 37 anos.
  • Constuma ser solteira, seguida das divorciadas ou separadas
  • Trabalha.
  • É heterossexual.
  • Não costuma ter alguma ou muitas passagens pela polícia por outros crimes(ou mesmo por stalking), com é comum nos homens.
  • Ameaça as vítimas(mais da metade o faz).
  • Destrói os bens das vítimas.
  • Persiste em atormentar a vítima por um tempo similar ao dos stalkers masculinos… que pode ser um longo período.
  • Usa todos o métodos de perseguição equivalentes aos que os homens usam, sendo que as mulheres têm uma predileção por fazer ligações telefônicas e o homens são mais propensos a seguir a vítima.

mulheres-stalkers-perseguição

 Ações

  • A principal, consiste em telefonar.
  • Envia mensagens, emails, recados etc.
  • Envia presentes.
  • Circula pelas imediações da casa ou do trabalho da vítima.
  • Em média, 25% usa de violência física e destrói propriedades(casa, carro e qualquer pertence da vítima o qual tenha acesso).
  • Os ataques físicos não costumam ser muito violentos, apenas 10% das vítimas precisam de algum suporte médico. Entretanto, muitas podem causar sérios danos e mesmo matar se utilizando da ajuda de uma outra pessoa, especialmente um comparsa masculino.

Os motivos

  • Quase metade dos stalkers femininos querem forçar um relacionamento íntimo (amor, sexo, amizade, maternalidade …)com a vítima.
  • Querem construir uma nova relação, diferentemente da maioria dos stalkers homens que lutam para manter um relacionamento antigo.

stalker-mulher

 

 

 

 

 

 

 

Estado mental das stalkers

A maioria sofre de doenças mentais ou transtornos de personalidade, que podem ser:

  • As doenças que geram delírios.
  • Erotomania(a convicção de que outra pessoa, geralmente alguém muito interessante ou popular, está apaixonado por ela).
  • Ciúme patológico.
  • Esquizofrenia.
  • Transtorno bipolar.
  • Depressão profunda.
  • Narcisismo.
  • Borderline.
  • Personalidade dependente.
  • Na maioria das vezes estão tomadas por surtos psicóticos durante o período de stalking.
  • São menos propensas do que os homens a estarem sob efeito de drogas e álcool durante o período de perseguição.

Sentimentos que predominam nas stalkers

  • Obsessão.
  • Raiva por ter sido abandonada.
  • Solidão.
  • Dependência.
  • Ciúme.
  • Desejo de retaliação.
  • Perspectiva de reconciliação.
  • Incomprtência social.

 

 

 

 

 

 

 

Vítimas

  • A maioria é composta por pessoas conhecidas.
  • São, quase sempre, indivíduos aos quais têm com o stalker uma relação profissional, sendo os psiquiatras, psicólogos, médicos, conselheiros, professores, advogados… os alvos mais comuns. (Os stalkers homens perseguem tipos mais diversificados de pessoas).
  • As vítimas podem ser igualmente do sexo masculino ou feminino. (Os stalkers homens perseguem mulheres  em 90% dos casos).
  • O fato de perseguir pessoas do mesmo sexo, não significa que haja uma motivação homossexual, na verdade, é raro que uma das partes o seja.
  • No geral, as vítimas são tratadas com descaso, já que a perseguição feminina é considerada algo menor e destituída de um real perigo. Se a vítima for homem, a situação ainda é pior, pois muitos acham que o cara até deveria estar orgulhoso em vez de reclamando. Fica a impressão de que o homem é fresco, bundão e um fracote com medo de mulher.
  • A vítimas mulheres têm sua orientação sexual questionada e são imediatamente  rotuladas de homossexuais.
  • As mulheres stalkers são rarissimamente denunciadas ou levadas à justiça, o que ajuda a criar a ilusão de que a perseguição feminina é menos incômoda e perigosa do que a masculina.

 

Fonte: Stalkers and their victims – De Paul E. Mullen, Michele Pathé, Resemaru Purcell