De Papo Comigo

O Menu Da Guerra

Durante a segunda guerra mundial, a cidade de Leningrado, na União Soviética, ficou 900 dias cercada pelos nazistas. Aproximadamente 800 mil pessoas morreram de fome e os sobreviventes escaparam graças  a alimentos como: feno, palha, fragmentos de madeira, serragem, todo tipo de papel transformado em pasta, animais do zoológico, animais mortos em bombardeio, óleo dos trilhos de trem, oléo dos lampiões, cola das tapeçarias de parede(que era feita de farinha), gesso, gelatina feita à base de cola de carpinteiro, animais domésticos, pombos, ratos, membros humanos amputados nos hospitais, cadáveres humanos, batom e pó de arroz

Em Auschwitz…

…se tomava um café ralo pela manhã. Só! Meio-dia era a hora de servir uma sopa fedorenta, a qual muitas detentas tinham que tapar as narinas para suportar o cheiro nauseante. Era comum encontrar na refeição botões, tufos de cabelo, farrapos, latas, chaves, agulhas e ratos. À noite era servido um pedaço de pão(feito quase que totalmente de serragem), um pouco de açúcar e uma colher de margarina. Excepcionalmente, uma fatia de salsisha(suspeita) era adicionada ao menu. No geral eles recebiam o correspondente a 250ml de água por dia, independente do clima ou da atividade que executavam.

Em Buckenwald…

…havia um pequeno zoológico com ursos, macacos, raposas e pássaros. Era um luxo destinado aos oficiais do campo de concentração, que num dos períodos de maior escassez de alimentos da guerra, no ano 1944, alimentavam os animais com mel, geléia, tomates, leite, flocos de aveia, torradas e pão branco.

Já em Berlim…

Nos dias que seguiram a derrota dos nazistas, a população peregrinava pelos escombros da cidade para conseguir comida. Com muito esforço era possível até achar coisas como cubos de carne para sopa, jujubas e pó para sorvete. Os padeiros fabricavam um pão preto, úmido e insosso que pouco satisfazia. A água além de ser escassa, estava contaminada com escombros e cadáveres e, quando obtida, precisava passar por um exaustivo processo de fervura. Os trabalhadores recebiam uma provisão de alimentos que costumava incluir chá, uma fatia de pão preto, uma batata, 250mg de leite e um pedaço de couve-flor…

…em discrepância…os correspondentes que cobriram os julgamentos de Nuremberg, no fim de 1945, podiam comer ovos, panquecas com calda, cereais, frutas em lata, café e leite.

 

Æèòåëè áëîêàäíîãî Ëåíèíãðàäà âûõîäÿò èç áîìáîóáåæèùà ïîñëå îòáîÿ òðåâîãè.

Leningrado entre 1941 e 1944

E na Holanda…

Em represália a  greve de ferroviários que aconteceu no inverno de 1944-45, os nazistas cortaram o suprimento de comida. A solução foi comer animais domésticos, cavalos mortos, sopas feitas com urtigas espinhentas e tulipas fritas. Aproximadamente 18 mil pessoas morreram de fome.

Próximo ao fim da guerra, os internos do campo nazista de Bergen-Belsen comiam os mortos, enquanto os soldados alemães desfrutavam de boa quantidade de alimentos, incluindo uma criação de porcos destinada ao comandante do campo.

Os soldados ingleses tinham como suprimentos bacon, presunto, linguiça, feijão, empadões de carne e miúdos, que fornecidos, com a melhor das intenções aos prisioneiros famintos de Bergen-Belsen, acabaram por levar quase duas mil pessoas à morte, já que seus corpos não mais assimilavam tais alimentos.

Aos japoneses foi ensinado como preparar suas refeições com serragem(para panquecas), bolotas de carvalho, cascas de grãos, lesmas, gafanhotos e ratos.

 

Fontes: Ano Zero, O Cerco de Leningrado e Diário de Berlim ocupada, Doctors from Hell, Five Chimneys.

Veja também:

O hospital sem médicos

11 razões para os judeus permanecerem na Alemanha nazista

Homens x Mulheres – 10 fatos que levaram os homens judeus a imigrarem mais do que as mulheres

Síndrome de Burnout

Como se recuperar da fadiga profissional – 1º passo

 

 

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.