De Papo Comigo

Stalkers: o que as vítimas devem fazer

stalker sombra

Ser perseguido por alguém é uma situação bastante angustiante e, para piorar, a maioria dos stalkers é composta por ex-relacionamentos íntimos, o que leva a vítima a vivenciar sentimentos confusos em relação ao seu perseguidor.

Algumas pessoas tentam apelar para a razão de seus stalkers, mas acabam obtendo o efeito oposto. Não se dão conta de que esses indivíduos estão tomados pela irracionalidade e, portanto, a comunicação com eles se torna inútil.

 

 
 
O que não fazer

A perseguição se torna pior quando as vítimas:

1- Atendem aos telefonemas para pedir que parem com a perseguição.

2- Respondem aos emails, cartas, bilhetes, mensagens, agradecem algum presente…

3- Aceitam se encontrar com o stalker para tentar convencê-los a abandonar o assédio.

4- Mandam recados através de terceiros ou ouvem os recados que outras pessoas trazem a mando dos stalkers.

 Em síntese: Não tente mudá-los!

As atitudes ideais

1- NUNCA fazer contato.

2- Não atender telefones, pois para o stalker isso se caracteriza como a continuação da relação e do seu controle sobre a vítima.

3- Não trocar o número do telefone. O melhor é manter o que ele já conhece(sem ser atendido) e adquirir uma linha nova para ser usada só com pessoas íntimas.

  • Hoje em dia, essa dica não funciona muito devido a facilidade em se conseguir os dados através da internet. 
  • É  difícil se evitar esse tipo de contato quando o stalker liga para o trabalho da pessoa. Por isso, é muito frequente que vítimas percam seus empregos.

4- A vítima nunca deve gravar a mensagem da secretária eletrônica, pois isso fará com que o stalker ligue inúmeras vezes só para escutar a voz da ex-parceira e, com isso, manter a sensação de intimidade.

5- Se desligar das mídias sociais. Isso evita que ele faça contato através de um perfil fake.

  • Nem é preciso lembrar que ele deve ser excluído das listas de contatos. É certo que ficará fuçando a vida da ex-parceira, o que pode aumentar sua raiva e desejo de vingança. Há ainda o risco dele cismar com algum dos contatos da pessoa e começar a persegui-lo também.

6- Não cumprimentar e não olhar para o stalker. Tratá-lo como se não existisse.

7- Nunca aceitar qualquer convite para encontros… não importa se ele disser que é para pedir desculpas ou coisas do gênero(questões relacionadas aos filhos, pagamentos de dívidas…).

  • Não vá à casa do indivíduo pegar qualquer objeto que tenha esquecido lá, mesmo que o ítem tenha muito valor.

8- Pensar duas vezes antes de entrar com uma medida cautelar para que ele mantenha distância, pois quando o stalker é muito violento, a ordem judicial o enfurece ainda mais, além de não proteger verdadeiramente a vítima… é só um pedaço de papel que não traz consigo nenhuma proteção física real.

  • A ação judicial funciona bem quando os stalkers não são perigosos e não querem se encrencar ou ter prejuízos, mas o problema é que a vítima costuma ter pouca condição de avaliar corretamente o grau de agressividade de seu perseguidor.

9- Todas as ações do stalker devem ser registradas aos mínimos detalhes(suas gravações telefônicas, emails, cartas, presentes, os horários em que estava em vigília em frente a algum local onde a vítima se encontra, fazer um boletim de ocorrência, conseguir testemunhas…). Essas provas poderão ajudar a colocá-lo na cadeia, se necessário.

10- Adquirir habilidades que aumentem o senso de confiança, como aprender técnicas de defesa pessoal, usar armas, ter sempre objetos que podem ser usados como armas em caso de sofrer um ataque físico, aumentar a força muscular, se condicionar fisicamente caso tenha a necessidade de correr.

11- Trocar todos os segredos de fechaduras e reforçar a segurança da casa.

12- Não abrir pacotes enviados por ele ou embrulhos que pareçam suspeitos. Não comer nada feito ou remetido por ele.

13- Informar a vizinhos e porteiros sobre o fato e, de preferência, distribuir fotos do sujeito para que seja mais facilmente identificado.

Infelizmente, a situação é muito difícil para quem mora em favelas ou reside em locais ermos e/ou inseguros, pois nesses casos nem a residência oferecerá a proteção necessária.

Fontes: Stalkers and their victims de Paul E. Mullen, Michele Pathé e Rosemary Purcell

Virtudes do medo de Gavin de Becker

Outros

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.